Buscar
  • Anna Rita S.

10 artistas nacionais muito pesadas pro seu machismo.


Como eu abordei em um artigo bem antigo feito no site, sabemos que a cena artística é bastante misógina e obriga muitas vezes artistas gigantes seguirem um trabalho mais linear e enquadrado pro que a visão masculina enxerga ser o “lugar das mulheres”. Alguns refrões batidos, vocais esquecidos no meio de versos repetitivos dentro de uma indústria muito passadora de pano pra macho escroto. Sendo assim eu separei mulheres que nesse ano de 2019 e outros, criaram trabalhos espetaculares muito pesados pro seu machismo.



Tasha & Tracie

Conheci o trampo das gêmeas Tasha e Tracie através do blog Expensive Shit, com um artigo especifico sobre direitos e deveres numa abordagem policial há alguns anos atrás, uma das minhas inspirações para que eu começasse o meu site e descobrisse que eu queria viver de informar e formar pessoas. Acredito que elas sempre tiveram uma relação muito pessoal com a música o que é evidente no primeiro single solo lançado em Junho desse ano “Cachorraz Kmikze” que compõe o EP Rouff, colaboração das irmãs com uma produção foda de Ashira. Muito influentes na moda, Tasha e Tracie agora invadem os palcos e os fones de ouvidos de todas aquelas que estavam esperando o momento de serem representadas por mulheres pretas independentes de favela. O Ep Rouff está disponíveis nas principais plataformas digitais e minhas músicas preferidas são Yvonne Fair e Flo-Jo.

Flo-Jo: https://www.youtube.com/watch?v=vUCbkzHOtWs



Ebony

Numa crescente estrondosa a artista Ebony de 19 anos, chegou na cena com os dois pés na porta com sons como CASH CASH, BratZ produzido por L30ZIN, e Glossy por Hoffmxn. Em apenas 6 meses ela ganhou uma notoriedade absurda, carregando com si também um papel social muito importante por ser uma referência feminina preta e retinta dentro de um cenário encharcado de homens superestimados. Seu trabalho mais recente foi sua colaboração com o rapper FBC na faixa Confio, no novo álbum do artista. Atualmente artista da FreshMind, a rapper em entrevista a João Victor Pena pela Medium se diz assustada por ser uma das principais artistas a explorar o trap no Brasil. Concordamos que deveriam existir mais mulheres ocupando esse espaço, e eu tenho certeza que através de Ebony muitas delas se sentirão inspiradas e acolhidas pra lançar seu primeiro single. As músicas dela se encontram nas principais plataformas digitais e minha música preferida é XOXO projeto com o clipe belíssimo dirigido por Felipe Larozza e a própria Ebony.

XOXO: https://www.youtube.com/watch?v=YW2GVa28rpY




Taya

Preta Patrícia é o primeiro single de muitos de uma artista multifacetada que eu particularmente sou fã enquanto rapper, influenciadora e amiga. A primeira vez que eu vi a Taya foi num vídeo de youtube falando sobre seu curso de figurino que cursava na UFRJ, e desde então eu me aproximei muito da imagem dela de mulher que bota a cara e vive do que sonha. A MC Taya é só uma personificação disso tudo e seu primeiro som marca essa transição entre influencer e cantora. Trapstar, single mais recente dela, se posiciona de uma forma ultrajante e afrontosa, satirizando a postura dos rappers da cena atual que desumanizam sua imagem de também artista e não apenas uma bunda rebolando em um clipe. Símbolo de resistência e representatividade preta, Taya promete muito para o ano 2020, um close certo resultado de um corre espetacular!

Preta Patrícia: https://www.youtube.com/watch?v=5ldpOGhEazU




Ajuliacosta

Com um trabalho atemporal na moda e na música, Ajuliacosta fundamentou sua grife customizando roupas para amigas até dar luz a sua marca Ajuliacosta que foca na ascensão feminina preta e na luta por espaço. Júlia tem um EP composto por três faixas, Brisa de Outono de 2016 e que não poderia ser mais perfeito e recentemente roubou a cena na remix do som 1NOJO por KK Ousado. Com uma estética incomparável, e uma postura consistente Ajuliacosta é um mistério pra cena mais nunca uma incerteza. Tudo que ela toca fica brabo, e todos os trampos que soltou com maestria em qualquer área, destacou tudo sobre o que é essa lista. Ouça Brisa de Outono no Youtube.

Dia cinza: https://www.youtube.com/watch?v=JzpcJEovQX8



Melissonica


Fiquei completamente hipnotizada por Grupio, faixa de lançamento da artista Melissonica e apesar de ser seu único trabalho solo até então, eu não pude deixar ela de fora dessa lista porque pra mim ela representa toda a capacidade da mulher preta dentro de uma cena que gasta todos os seus esforços inferiorizando e hiperssexualizando essas mulheres. Com um clipe irônico e divertido, Melissonica inverte valores machistas e brinca com o termo “groupie” usado pelos rappers pra se referir a minas em busca de sexo com cantores. A faixa se encontra nas principais plataformas digitais e eu espero muitas outras ideias geniais de Melissonica no próximo ano.

Grupio

“Um termo em inglês utilizado para caracterizar jovens homens que admiram uma cantora de trap, pop ou rock, seguindo-a em suas viagens em busca de um envolvimento com seu ídolo...”

Grupio: https://www.youtube.com/watch?v=jcbZH7chP3w




Cleópatra “Bruja”

Conhecida inicialmente como Cleópatra, eu encaro trabalhos como Pxssy Gxld e Atlanta produções extremamente lapidadas e originais dentro do contexto estético geral. Talvez umas das artistas independentes que eu mais admire, exatamente por conseguir números orgânicos em cima de referências rnb e trap soul do seu jeito. Com beat/produção de SYNDROME, Pxssy Gxld tem stylist, edição, direção e maquiagem feitos por ela e uma composição ácida e bem desenvolvida. Hoje com o novo vulgo Bruja, eu imagino quantos projetos e personificações diferentes essa mulher consegue criar pra enobrecer a cena de uma forma maravilhosa. Você consegue conferir suas faixas no youtube. Pode entrar Bruja!

Pxssy Gxld: https://www.youtube.com/watch?v=P8ecJjw27b8





Cocoa Mami

Cocoa Mami, produtora de uma das festas mais fodas de Porto Alegre, “O BRONX” propõe a liberdade periférica e preta e cria um ambiente em que possamos nos sentir parte de algo coletivamente. Ela com uma estética impecável se mostrou suficiente e completa na sua primeira faixa lançada V Freestyle, se defendendo de alegações falsas a seu respeito, com linhas recheadas de punchlines e sarcasmo bem construído, um som que te prende do início ao fim e te deixa curioso sobre o que esperar de Cocoa Mami. Sua primeira música não é apenas uma diss, ela conversa bem mais com mulheres que saem da sua zona de conforto e se posicionam dentro de um contexto misógino e taxativo. Já tem mais sons no forninho, e eu não posso esperar por isso.

V Freestyle: https://www.youtube.com/watch?v=9E6hpROdjKs




Clara Lima

Em 2017 eu coloquei Clara Lima numa lista muito similar a essa, e hoje como uma artista mais madura, eu não me decepcionaria nunca com seu projeto Selfie, como não me decepcionei. Um trabalho que mostra outra face, escancarando sua versatilidade que muitas vezes foi discutida (por homens, claro). Com uma áurea mais sensível e elástica, com faixas muito cantadas e uma métrica melódica, conseguimos conhecer uma Clara Lima que cresceu com si e com sua música. Cria de BH, e integrante do antigo grupo Dv Tribo, meu favorito, ela se destacou pela sua atitude, seu posicionamento e irreverência e segue defendendo seu espaço dentro da cena. Selfie nasceu pra coroar essa artista com 8 faixas que conversam entre si e te contam uma história. Você consegue ouvir essa história nas principais plataformas digitais.

Pensando em nós: https://www.youtube.com/watch?v=4BUtYE3H_tc




Laura Sette

Diferenciada como esse som, Laura Sette, de Belo Horizonte é detentora de uma musicalidade incomparável e eu esperei muito tempo pra conhecer o trabalho de uma artista como ela. Corpo, Alma e Consequência, é um dos EP´s mais gostosos que eu já ouvi, e ele te enche de músicas que te tocam e sobem o nível do seu gosto musical com todos os processos produtivos perfeitos. Instrumentais por Pedro "Cido" Cambraia, Weeze Cooker, Nerex, Thiago Braga e Ashira e participações de Tchouzen e Djonga. Sua faixa Diferenciada tem dois momentos diferentes que se complementam e te surpreendem. Fechando essa lista pesada com um dos trabalhos mais bem feitos do ano. A cena ainda vai agradecer muito Laura Sette por isso, sem dúvidas.

Disposta: https://www.youtube.com/watch?v=_bT93VXlapc

424 visualizações